PRIMEIRO ÁGUA! Depois vocês se matam aí no Foro de SP ou na Marcha da Família com Deus.


Sério. Já encheu o saco essas conversas políticas, geralmente levadas pra frente por quem confunde comunista com socialista e os defensores do "não depilar o suvaco".

Antes de qualquer coisa, claro que nossas visões devem ser compartilhadas e seja o camarada de esquerda (sem trocadilhos, sério! kkk) ou de direita, vivemos numa democracia (tem gente que ainda não percebeu isso) e o cidadão pode expressar o que ele achar melhor, desde o direito do casamento gay, passando pelo aborto até a pena de morte. É conversando e trocando figurinhas que nós vamos crescer na vida e viver essa democracia tão sonhada.

Mas a vida sempre me ensinou a viver baseado em prioridades e eu nem preciso falar qual é a nossa hoje, né? Precisamos (e não temos) ÁGUA! Á-G-U-A! O bem primário e mais necessário pra vida humana está acabando e nem vou perder meu tempo com aquele papo "de comercial certinho" de "economize água" pois nós somos folgados e esculhambamos mesmo o uso dela.

Também nem vou me dar ao trabalho de criticar nosso governador e seu partido, afinal já passei da fase de defender/atacar partidos e entendo que se a política é ruim e política é feita por pessoas de uma determinada sociedade, todos nós somos ruins e só com vergonha na cara a gente resolve nossas faltas de valores e vícios esbanjadores. Afinal não vejo diferença entre suborno pra multa e desvio de verba.

Por isso, um apelo: PAREM de encher o saco na internet (ou na mesa do bar) com seus #ForaDilma, com papo de comunistas no poder, pedindo a volta da ditadura ou batendo o pé pelo direito de andar com os seios de fora. Repito: não são as causas que estão erradas, o que ninguém mais aguenta é a chatice de quem acha que qualquer valor que fulano acredita deve ser colocado goela abaixo. E numa boa? Isso é mais egoísmo do "quero fazer o que eu quero" ou "tem que ser do meu jeito".

Cada vez mais não consigo ver mudança invertendo a visão política. A direita defende a "ordem" varrendo tudo pro tapete pra "não passar vergonha com as visitas". A esquerda defende a libertinagem do faço o que der na telha e dane-se quem está do lado. E nós, vamos ficando sem água enquanto temas importantes sim, mas necessários não vão sendo levados pro ringue com furor e ódio.

Entenda: nenhum governo, nenhuma sigla vai resolver de maneira satisfatória o problema da água. Além dos braços cruzados, nosso povo vive de um vício de incompetência e jeitinho onde só tentam se mexer quando a água mexe na bunda, por isso cabe a você e eu fazermos algo: e o simples fato de entender que o tema água é a urgência destes dias, já se faz uma diferença enorme. Se a gente ter consciência, quem sabe soluções não apareçam. A ingenuidade do mundo perfeito de todos com braços dados não existe mais, mas ainda acredito na capacidade do ser humano de fazer sua parte e contagiar a outros, por isso vejo esperança nesta crise.

E depois que tudo se resolver, aí sim vocês politiqueiros podem escolher uma boa colina, se reunir no Foro de São Paulo ou na Marcha da Família com Deus, partirem para a batalha final e o sobrevivente governa a coisa toda, pois na boa, pra mim... dane-se! Esquerda ou Direita, ninguém vai me tirar a busca pela melhor visão política de todas (e da vida também): a do bom senso. Não consegui alcançar mas tenha certeza de que é uma de minhas grandes buscas.

Conheça a música gospel da Valesca Popozuda: Beijinho no Ombro (é essa aí mesmo que está pensando)

Desejo a todas inimigas vida longa / Pra que elas vejam a cada dia mais nossa vitória ... Acredito em Deus, faço Ele de escudo / Late mais alto que daqui eu não te escuto ...

Essa música -- gostando ou não -- você com certeza já ouviu. E cá pra nós, ela tem tudo a ver com muito culto dominical de comunidades Brasil afora, não acha? Por mim, não assustaria nem um pouco se fosse em alguma comunidade dita evangélica por aí e ouvir isso com glórias e aleluias ao fundo!

E pare de me xingar de herege. Leia o resto pra poder xingar depois, mas com argumentos.

Vamos lá: primeiro, não estou falando da fé cristã genuína, estou falando de um tipo de 'teologia' tão perigoso quanto aquela que trata a Igreja como uma fézinha na Sena: dê grana que você vai ter em dobro, estou falando é da teologia do recalque.

Como é, teologia do recalque? Claro que sim, meu amigo/a. Ela existe e tem muitos adeptos. "Se você pisar em mim, vai sentir o peso do pé de Deus que vai me colocar em destaque e CHORA INIMIGA!"... Sabe porquê? Por que a nossa estima anda muito baixa ultimamente pelo fato da gente não saber quem a gente é -- falo de nós mesmos, cristãos, gospel, evangélico e simpatizantes... E essa conversa toda aí é pura e simplesmente falta de auto-afirmação, de saber o que você é, e de ficar se medindo com outros -- geralmente por baixo.

Aí quando a estima é baixa, a gente se ofende fácil e "criamos" inimigos (onde não deveríamos criar) e qualquer conquistinha besta é motivo pra 'sambar na cara das inimigas'. E tudo isso dentro de "igrejas" em meio a reuniões e tudo o que move essas comunidades. Se você ainda acha que estou falando absurdos, só veja essa comparação do tal Beijinho no Ombro e a não menos famosa Sabor de Mel, da Damares -- sucesso em muito culto por aí:

Sim, meus amigos: estamos cada dia mais querendo 'vitória', mas não para comemorar com os amigos ou a família e sim para esfregar na cara dos 'inimigos': "tudo a ver" com Provérbios 15:33 que fala que e a humildade antecede a honra, não é mesmo?

Aí vivemos essa vidinha pequena, vazia e sem sentido: procurando sempre provar para as pessoas que toda humilhação é respondida com 'meu destaque pessoal', que Deus tem uma espécie de compromisso em humilhar aqueles que te provocam de alguma forma, como se a vida cristã fosse, ao invés de uma vida de humildade e a vontade de se fazer o bem, mesmo aos nossos inimigos (até porque Jesus nos orientou a orar por eles, lembra?).

Moral da história: ao invés de contagiar o amor que salva, ficamos desejando as inimigas vida longa para elas verem a nossa 'vitória'. Que pena. Que triste.

Enfim, aí está o que penso: nossa vida não é uma novela mexicana que somos humilhados apenas para no fim, ficarmos ricos e poderosos, nossa vida como cristãos tem um alvo muito maior e nobre: Cristo. Conhecendo-o, vamos conhecer seus reais desejos e suas verdadeiras vontades, incluindo o que pensa sobre cada tipo de comportamento, especialmente esse tal recalque gospel aí... Na dúvida, pergunta pra Jesus o que Ele acha disso.

Só acho que o negócio é: MAIS AMOR E MENOS RECALQUE, e pra ter menos recalque -- você, não a 'inimiga' -- te recomendo o Sermão da Monte. Quanto as invejosas, as recalcadas e as periguetes... deixe elas pra lá e vá ser feliz, afinal, Deus não é o seu escudo? Nada vai te atingir então ora essa!

E como povo de Deus, prefiro ficar com Paulo, quando diz que "como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência." Te garanto que você vai ter uma vida mais leve e até dormir a noite mais tranquilo, sem pensar em nada além da paz que Deus dá a seus filhos.

A ditadura no Brasil funcionou. E isso não é nada bom

Hoje é um dia 'esperado' por muita gente. O que você vai ver de '#AbaixoaDitadura' e 'Intervenção Militar por favor' vai te dar até raiva. Mas vai ver, principalmente se for usuário de rede social, onde todos falam 'o que pensam'. E isso é bom, pois é sinal de que pelo menos um mínimo de liberdade de expressão nós temos.

E pensando no Golpe e nos anos que o Brasil viveu sob a Ditadura dos Militares - pensando, pois sou de 86, logo faço parte de uma geração de brasileiros que chegou a vida adulta de forma 'livre', entre aspas mesmo - chego a uma conclusão muito desanimadora: a ditadura funcionou.

Funcionou pois você vê, hoje ainda o desequilíbrio em forma de opressão. É aquele papo arrogante de 'bandido bom é bandido morto', saca? Não que eu concorde que do jeito que está tá bom, muito pelo contrário: menor deveria responder sim por crimes que comete e 30 anos que viram 15 é um tapa na nossa cara, mas todo extremo faz mal pois os extremos geralmente acontecem sem pensar.

Funcionou pois você vê gente hoje preferindo a miséria - e quem viveu aquela época sabe como o brasileiro sofreu com a incompetência de gestão - a uma sociedade livre. Querem a 'ordem' imposta, como se fossem deuses e a salvação da pátria viesse só com o fato de cantar o hino nacional nas escolas. Diria que reeducar o brasileiro precisa de valores um pouco mais profundos do que estes.

Funcionou pois você vê uma porção de brasileiros acreditando que a democracia não presta: ao invés da discussão e do equilíbrio, o ódio e a raiva de criança mimada. Comunista para a turma conservadora é 'porco', 'tem que morrer' e por aí vai: no fim, você percebe que eles não querem ajudar a sociedade e sim o poder. Apenas poder.

Funcionou pois muito esquerdista virou herói sem merecer - e deixo aqui MUITO CLARO meu repúdio a toda opressão e tortura, quem é inteligente que entenda o que quis dizer. E assim como falei agora há pouco, a esquerda é igual a direita no quesito de falar que vivem pelo povo mas o que querem é também o poder. Pode-se perceber isso vendo a forma egoísta a qual defendem muitas questões - a qual quero falar melhor sobre no futuro.

Funcionou pois milhares de brasileiros acham que é só prender e socar na cadeia - ou matar - todos os bandidos que tudo se resolve. Mentira. Safadeza é algo que está no DNA do brasileiro, não se acaba assim. O bandido que estupra e o cara que sonega o imposto causam dano ao povo, mesmo que em proporção maior. E é muito comum ver um monte de gente sem vergonha que quer a cabeça de bandido. Enfim, olho por olho e não vai mais existir brasileiro.

Funcionou pois emburreceu o povo: a luta durante o golpe não foi entre povo e governo. Foi entre quem tá no poder e quem queria o poder - tendo alguns idealistas sensatos no meio, claro. Mas o povo como um todo, tava comemorando o tri da Copa, curtindo carnaval, vendo o Emerson Fittipaldi ganhando na F1 e totalmente alienado ao que acontecia. Igual a hoje. Não vamos mudar pois o nosso povo ainda tá mais preocupado com a futilidade da alienação do que a mudança de algo. E se o povo não muda, tem um monte de interesseiro querendo 'mudar' em 'favor do povo', seja um Bolsonaro ou um Jean Wyllis.

Funcionou pois fez da nossa educação uma 'fábrica' de gente e não um centro de conhecimento: afinal fazendo a pessoa 'responder certo' ao invés de aprender, você - o dominante - continua fazendo o que quer. E a herança é hoje essa educação burra feita apenas pra 'passar no vestibular', sem pensar em preparar um jovem para a vida, com conhecimento.

Funcionou pois transformaram soldados e policiais em inimigos. Se eles aprendem valores distorcidos e alguns acabam ficando malucos e servindo a opressão, é assunto pra outro dia, mas assim como qualquer cidadão, merecem respeito. Ganham pouco e vivem em constante pressão: do povo que não os apoia, dos bandidos que ás vezes são patrocinados de dentro do sistema e dos políticos que tratam a segurança pública com ignorância e burrice.

Funcionou pois ainda tem gente que acredita que exista 'gente de bem'. Vai pesquisar a vida de defensores de 'gente de bem' que tem por aí e prepare-se para tomar muitos sustos. O ser humano não presta por natureza, o brasileiro com seu DNA de safadeza, menos ainda. É uma luta constante pra quem quer ser 'do bem' conseguir algum progresso. Isso é só discurso furado - que ainda tem a cara de pau de colocar o nome de Deus no meio.

Funcionou porque serviu ao desequilíbrio: não há união na divisão. E tudo que vai pro extremo atrapalha a balança. A sede de poder faz isso e o que temos hoje é a prioridade: esquerda ou direita no poder? E essa luta que acontece desde sempre coloca em segundo, terceiro lugar o que realmente deveria ser importante: as necessidades do povo.

Por fim, não tenho problemas com conservadores ou liberais. Tendo decência e preocupados em fazer um mínimo de diferença pela sociedade, tem meu apoio, seja um general ou um professor da USP. O perigo não é com a filosofia que toma o poder e sim com a forma a qual ela vem. Tudo que oprime e tira a sua liberdade - inclusive de ser a favor ou contra de tudo que aconteceu desde 1964 até hoje - de se expressar deveria ser esquecido.

No dia de hoje não existem heróis. Nem vilões. Existem pessoas que lembram de disputa de poder, apenas isso. Era o opressor contra o que queria oprimir - e no meio, um ou outro idealista inocente que acreditou nessa história de 'quero liberdade'. Hoje somos livres mas não estamos livres. Culpa dos extremos que tanto fazem parte do nosso dia a dia, seja nos discursos dos Bolsonaros ou dos Jeans Wyllys da vida.

Nosso papel? Absorver e evoluir. Aprender com os erros, cativar a quem puder que um país mais justo é possível e entender que a mudança não depende da forma de poder nem da visão política que assuma o controle do nosso país. A mudança só precisa de uma coisa: vergonha na cara. De todos nós.


(Em tempo: devemos - ou deveríamos - ser contra a todo tipo de opressão e modo violento de manutanção de poder. Logo, fica aqui minha indignação a toda essa tortura que ocorreu neste período triste da nossa história e meus sentimentos a todos que sofreram direto ou indiretamente com estes eventos)

Eu não acredito que você acredita em tudo que postam no Facebook!

O Chaves morreu. Entregaram no Senado um abaixo assinado que a 'Globo não mostrou'. A Marta Suplicy vai fazer uma lei que vai acabar com a família. O menino falou de Deus no ônibus e o surdo ouviu (com ilustração dum rapaz chorando). E você compartilha todo feliz este monte de mentiras.

O botão compartilhar do Facebook é hoje uma das maneiras mais rápidas de dizer o que pensa. Em dois segundos, você diz o que pensa só concordando com o que colocaram primeiro. É mais rápido do que escrever o que está pensando, por exemplo. E essa rapidez é perigosa: pelo fato de que a gente não tem (ou não quer ter tempo) de raciocinar a informação a gente compartilha e pronto. E tá lá todo mundo chorando a morte do Chaves de novo, afinal, tinha que ser o Chaves de novo.

Tem gente que sabe disso melhor do que eu e você. E esse é o pior perigo. Uma notícia falsa por mais falsa que seja, gera muito problema. Primeiro porque brasileiro não gosta de ir atrás de fontes - pois se fosse, descobriria que o rapaz 'evangelizando' no ônibus na verdade era um ladrãozinho - para checar e segundo porque a gente gosta de ver a cobra fumar. Funciona assim: odiamos o Justin Bieber, então a gente 'acredita' que ele apanhou numa Starbucks pelo simples fato de que odiamos o Justin. Não importa se é mentira, a gente o odeia e ponto (enquanto isso ele aparece na mídia e fica cada vez mais em evidência e rico do que nós todos. Belo trabalho seu ódio tá fazendo).

E o filme 'anti-cristão' do Didi? kkkkkkkkkkk

O que nos dá a entender uma outra coisa, talvez mais perigosa ainda: que além de compartilharmos sem pensar nos fatos, compartilhamos com raiva. E sem medir as consequências. Não duvido se um golpe político acontecer no Facebook ao invés de rolar nas ruas. Só uma pergunta antes de continuar: você se sente feliz ao descarregar sua raiva de algo ou alguém no Facebook? Continuemos.

Dizem que a Internet é a parte da verdade da mídia, pois o que a TV não mostra. Mentira. Toda informação por mais bem intencionada que seja, tem um quê de tendenciosa. Uma página de ódio a Dilma (geralmente lançada por partidários rivais) é tão tendenciosa quanto ao apoio que a Globo prestou durante a ditadura. Uma lei que não existe que vai colocar fim na família é tão tendenciosa quanto uma capa da revista Veja. E por aí vai.

Por isso, só peço um favor: deixe a preguiça de lado. Vá se informar, vá estudar, vá conhecer o mundo, vá conhecer até o que você não gosta. Mas acima de tudo o que a gente precisa - e precisa mesmo pois tá em falta - é de sabedoria. Sabedoria para fazer a gente filtrar informação, saber o que é verdade e o que não é e acima de tudo, entender que todo tipo de informação é parcial. E isso não significa algo ruim. Ruim é quando além de parcial, ela ainda faz mal para a nossa sociedade. E é deste vírus que a gente pode se previnir.

E não, o Chaves ainda não morreu. E pode ficar tranquilo pois o dia que este fato triste acontecer, o mundo pára!

Agora é a vez do Pregador Luo desabafar: "estes 'evangélicos' de hoje estão difíceis de entender"



Esses "evangelicos" de hj tao dificeis de aturar e até de entender. Eu posto uma foto artistica que enfatiza o Dr. King e eles prestam atenção na simbologia que "alguém" inventou que é "demoniaca e bla bla bla". Nao fui eu que pintei isso, apenas achei bonito a forma do artista de se expressar e pronto.


Pra mim, esse sinal "satanico" a qual muitos se referem é conhecido como o sinal usado para simbolizar a paz, assim como a cruz era um sinal maldito a varios seculos mesmo depois de Cristo e só recentemente foi transformada num simbolo cristão. Seja la o que de fato esse ou outros simbolos forem, nao creio que tenham poder nenhum sobre minha vida, pois minha fé em Jesus está acima de tudo e o poder Dele acima de todos. Nenhuma simbologia é mais forte que a fé em Deus.


Só é atingido pelos mitos quem os teme. Uma gigantesca parte dos evangelicos brasileiros estao se prestando ao ridiculo. Esmiuçam simbologias, mas continuam sendo massa de manobra de homens que usam nao só simbologias que nem pertecem ao culto a Jesus, mas que também tem pactos com homens realmentes maus e usurpadores que com seus esquemas obscuros prejudicam verdadeiramente a sociedade.


Tenho sentido vergonha de me denominar evangélico, pois pouco do que tenho visto nas atitudes dos meus "irmãos" de fé tem expressado de fato o que acredito vir da parte do Deus da biblía. Gente julgando, gente ofendendo, corrompendo, alienando, distorcendo, caluniando e por ai vai. O raciocínio de muita gente está empobrecendo mais a cada dia. Ficam indignados com tolices quando o que de fato importa fica de lado. Desrespeitam qualquer um que tenha opiniões contrarias, condenam qualquer um que discorde e não amam nada além do racicínio quebrado a que se agarraram como tabua de salvacao.


Hoje postei uma foto enrolado na bandeira do Brasil com a simples legenda: HONRA! Pois eu sinto orgulho das pessoas de bem que ainda tem vergonha na cara e trabalham por um Brasil melhor e cuidam de viver com dignidade e se preocupam em trabalhar e dar educaçao aos seus filhos mesmo em meio a um sistema totalmente injusto. Mas estranhei a quantidade de pessoas que disseram odiar ou ter vergonha do país nos comentários do post da foto.


Chegaram ao cumulo de dizer que tenho HONRA pq sou rico ou pq roubei o dizimo de pobres coitados. Eu nunca recebi dizimo ou sequer uma oferta. Tudo que conquistei foi fazendo shows ou vendendo cds, que a grande maioria não comprou, mas baixou ilegalmente. Realmente, é dificil entender um povo que reclama do país onde mora, mas que em grande parte não faz nada para melhorá-lo. Já pensei até em tirar a palavra "pregador" do meu nome, pois realmente minha pregação não coindiz com a pregação dos pregadores dessa nova religião que estão insistindo em chamar de cristianismo, volta e meia me confundem com esses tais.


Mas eu não fundei igrejas, não fui promovido a bispo nem sequer a pastor, entao sarcasticamente dizendo, nao faço parte da visão que esta dominando o Brasil. Eu sou so o cara que pensa livremente, que nao quer ser preso nem prender ninguem a leis humanas.


Quero só viver, aprender com Cristo e deixar que outros façam o mesmo. Talvez eu não seja de fato o pregador que você procura, pois não lhe prometo prosperidade, não tenho capacidade de curar suas doenças nem de lhe garantir com precisão a volta de Jesus, não quero ser visto como santo aos olhos dos homens e charlatão pelos olhos de Deus.


Portanto, agora que você já sabe disso, fique a vontade pra procurar o seu guru em outra page do FB. Ou se quiser ficar, aprender, ensinar e caminhar junto, fique a vontade pra continuar sendo imperfeito aqui junto comigo.


Via Facebook Pregador Luo


_________________________________________

Estou fazendo questão de postar desabafos - na íntegra, sem corte ou edição - de cristãos que com dificuldades e lutas se esforçam para viver o que Cristo ensinou na sua passagem na terra. Estes cristãos, assim como eu, não aguentam mais este movimento 'evangélico' que se auto-declara 'a coisa certa', mas não são. Ser evangélico é apenas ser membro de mais uma religião no meio de muitas outras - o que nós deveríamos ser era cristãos, apenas isso. E religião não salva ninguém, apenas Cristo e a sua Igreja - a Igreja invisível, que não consiste de paredes e sim de pessoas.

Rachel Sheherazade, por favor: deixe sua arrogância em casa. Não tá ajudando.

Sobre os últimos acontecimentos em relação a Rachel Sheherazade, seu conservadorismo e suas opiniões e declarações, só tenho a dizer o seguinte: não sou obrigado a concordar com a opinião dela, mas como recebi educação em casa, me sinto no dever de respeitar seus pensamentos e posições. Acho que toda opinião deve ser respeitada, afinal mesmo ela sendo a FOX News que é, vive num país que lhe dá direito de se expressar. Não elegendo um Bush brasileiro, tudo bem.

Agora, não tenho compromisso nenhum com a arrogância e a prepotência com a qual ela expõe o que pensa. E pior, essa arrogância me faz fugir de suas opiniões, mesmo quando vez ou outra concordo com o que ela diz. Sem contar quando coloca a fé no meio - e pior: com cristão gostando dessa maneira chula de expressão.

Nem quero entrar em discussão sobre o tal caso do bandido preso nas correntes porque somos um bando de desequiibrados que não conseguimos o bom senso nunca: ou "passa a mão na cabecinha" ou "senta a mão na oreia dele". Não sabemos discutir e ponto final.

Só que não me vejo obrigado a aplaudir a arrogância de ninguém. A arrogância é a pior praga desse universo. Pais não respeitam seus filhos por causa da arrogância; filhos não reverenciam seus pais por causa dela; poderosos acham que fazem o que querem usando da prepotência do 'eu faço o que quero, sou doutor'. A direita e a esquerda - se é que isso existe no Brasil - também perdem a razão quando colocam seu 'orgulhinho' na frente de seus ideais.

Por isso, a Rachel só merece uma coisa: minha opção de escolha de outra programação (ou outra coisa pra se fazer) enquanto ela vomita seu conservadorismo misturado com topete empinado de quem se acha dono da razão.

Não temos razão. Pra nada.

O maior festival promessas seria ver algumas realidades necessárias acontecendo

É errado ter o Promessas nos fins de ano da Globo? Não sei, pra mim tanto faz. Sou contra o Festival Promessas? Nem um pouco, afinal nem faz parte da minha agenda anual sem mencionar que nem Globo na minha televisão tem - e não é por questão ideológica, é culpa da TV a Cabo e desinteresse por não acompanhar nada do plim-plim. Mas nada impede que nós possamos após 'achar tudo muito bonito', refletirmos como Igreja que somos e ver o que podemos fazer pra não ficarmos 'só nas promessas'.

Primeiro sobre os artistas: em muito músico de qualidade por aí, mas não entendo o motivo que faz essas tais musicas gospel serem tão genéricas igual essas de rádio FM que tem muita melodia (repetitiva) e pouca letra. Parecem feitas pra "vender".

E pior, isso num ambiente onde a letra deveria ser algo muito importante (pois estamos falando da pessoa de Cristo).

Já passei da fase de ser inimigo ou contra as coisas que recebem importância da maioria, mas gostaria de ver a comunidade cristã refletindo sobre se é importante de fato continuar fazendo da música cristã um segmento de mercado e se a Igreja de Cristo tem que aparecer pelas boas obras de seus membros ou em espetáculos apenas.

Como disse antes, o músico cristão de qualidade tem que ter destaque na música brasileira, não no segmento A, B ou C. Esse tal de "gospel" nada mais é que uma cerca ou um gueto que tira do brasileiro a oportunidade de ouvir música de qualidade e o mais importante: a mensagem de salvação. Tudo porque preferimos shows de "crentes para crentes". Em outras palavras, o ideal não seria um Festival Promessas e sim estes mesmos músicos dividirem palco com Ivetes, Robertos e Nandos por aí, sem falar nos outros Titãs da música nacional. Sal fora do saleiro.

Nossa estima também é algo que precisa ser reavaliado. Vejo muitos apreciando programações como essa apenas porque "agora estão dando espaço pra nós", assim como aquela adolescente com espinhas que não se sente aceita na escola. Cuidado com isso, é perigoso. Podemos estar mais preocupados em ter o nosso espaço junto a outras religiões - e cristianismo, ao contrário do movimento evangélico não é religião, que fique bem claro - do que apenas viver a nossa fé e querer compartilhar com todos ao nosso redor.

Que os palcos continuem (se não atrapalhar a mensagem da Cruz) mas que o bom senso predomine. Que o anunciar as boas novas independente da maneira continue, mas que não fiquemos conformados com formatos e possamos pensar mais "fora da caixa".

A união do Superman e do Batman gerou as capas mais toscas da história

A World's Finest Comics foi algo que digamos... ditou tendências. Muito antes da Marvel e da DC apresentarem toneladas de filmes de heróis com participação especial de um no filme do outro - isso sem contar Vingadores e Ligas da Justiça que tem por aí - o Superman e o Batman já lutavam juntos contra o mal.

E foi um sucesso, haja visto que a revista durou de 1941 até 1986, podendo até ter um retorno em breve em forma de filme novo do Superman com a participação do homem-morcego.

SÓ QUE... além de apresentar ao mundo o conceito de crossover e fazer o lazer de soldados da Segunda Guerra Mundial até crianças dos anos 80 com óculos 3D fajutos, a World's Finest Comics também mostrou ser um poço da criatividade... tosca. Separei algum material encontrado internet afora e convido você a ver o auge da capacidade de se produzir material tosco em uma capa. É uma mais campeã que a outra, veja aí:
























A lista é do Buzzfeed e prova duas coisas: Super-heróis também tem o direito de se divertir e realmente os nossos dias andam muito sérios e chatos!

As capas de revista mais sinceras do mundo

Sinceridade. Alguns historiadores afirmam que esta palavra surgiu do termo 'sem cera' na época dos romanos, onde alguns trambiqueiros (sim, eles já existiam) esculpiam imagens e 'corrigiam' imperfeições com cera; os honestos faziam seus trabalhos perfeitamente e 'sem cera', daí o termo.

E da época dos romanos aos nossos dias, a sinceridade vai diminuindo minuto a minuto, não é mesmo? Mas a turma do Puxa Cachorra pensou neste assunto e trouxe para nós capas de revistas que tem muito a dizer com toda a sinceridade possível. Claro que você nunca verá estas capas 'sem cera' na banca da sua esquina, mas aqui você pode vê-las com todo o conforto da internet - de pijama com os pézão pra cima:


















Valeu Puxa Cachorra e Plugcitários pelo material

Tá caro? A culpa é da o$tentação!

PS4 a 4000 reais, iPhone a 3000 reais e por aí vai. O que a gente mais ouve nesses dias é geral reclamando do preço desses produtos, que aqui no Brasil tudo é caro, 'nada anda' e por aí vai... Mas já parou pra pensar um dos motivos destes preços altos?

Por hora, vamos 'esquecer' por enquanto o fator imposto (mas não pense que concordo com essas taxas e impostos abusivos não, hein?) e vamos focar em um problema sério do comportamento brasileiro, a ostentação.

E não, não estou falando dos cantores de funk. Eles apenas colocaram em suas letras algo que é comum no perfil do brasileiro: ostentar que é alguma coisa baseado no que considera importante. E o que é importante para o brasileiro? Sim, ter uma 'american way of life', viver a vidinha de Friends, ser o 'Quarterback' mais desejado da escola - sem saber que raios é um QB - ou ser a líder de torcida mais assanhada.

E este comportamento reflete em nossos objetos de desejo: 'eles' - os gringos - aparecem em filmes e seriados usando seus iPhones, jogando seus Playstations e dirigindo seus Camaros. E nós queremos tudo igual. Porque são produtos bons? NÃO! Porquê queremos 'ostentar', só isso. Queremos nos sentir importantes iguais aos personagens das grandes mídias.

Os aparelhos não custam muito caro por lá. E importá-los, mesmo com a taxa de importação ALTÍSSIMA não dão margem a preços tão altos. Mas lembre-se: pra criar um perfil de 'status' amo/sou igual o carinha do seriado... 'eu pago 3 mil e pronto!'

Aí o cidadão tem o iPhone e não consegue passar música pra ele (sim, é complexo mesmo), fica bravo pois 'não dá pra passar música por bluetooth' e descobre muita complexidade no sistema da Apple. Críticas? Não, afinal são características comuns ao aparelho e quem os domina tem um ótimo aparelho em mãos. Mas de novo, a ostentação nos faz usar 5% do potencial do aparelho só pelo fato de postar no Instagram a bendita foto com a maçã aparecendo. Ou compra um Playstation 4 mas nem sabe usar os controles, preferindo ainda um Nintendo 64.

Com esse comportamento em mente, e com as equipes de marketing sabendo disso, não resta dúvidas: vamos explorar esse comportamento, pois embora exista muita reclamação, duvido que vai ter gente que não vai ceder pra ter o tal objeto, nem que se enfiem em parcelas, prestações e ATÉ empréstimos.

O que estou tentando dizer é claro: essa nova insistência de querer imitar o povo dos EUA e da Europa mostra primeiro que não temos identidade como nação e isso é grave. Povo sem identidade não muda nada, não importa quantos gigantes acordemos no processo e também é alvo fácil para gente que tem a arma certa.

Não estou fazendo nenhum discurso nacionalista. Creio que o mundo 'globalizou' de fato e toda cultura é importante, da 'american way' até a da cidade do interior mais próxima de você. Claro que você pode consumir seus produtos e assistir seus seriados. Mas que a gente aos poucos possamos entender quem somos e o que queremos. Que nossas decisões sejam baseadas na qualidade e não no status. E que possamos ostentar as qualidades do nosso povo e lutarmos juntos para eliminar nossos problemas.
Página inicial Postagens mais antigas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...